O que é biotecnologia?

Você também entra nas redes sociais da Biotecland e se pergunta “O que é Biotecnologia?” Biotecnologia é uma área da ciência, de acordo com a Convenção da Biodiversidade, assinada em 1992, responsável por qualquer aplicação tecnológica que utilize sistemas biológicos, fabrica ou modifica produtos ou processos para utilização específica. Esta grande área busca melhorar o mundo a partir da modificação de processos biológicos.

Não se trata apenas do estudo e da taxonomia dos organismos. Trata-se da aplicação da riqueza ecológica do planeta Terra em busca de melhorar o mundo em que vivemos. As Ciências Biotecnológicas são tão amplas e podem ser aplicadas em diversos locais e, por isso, as áreas da #Biotecnologia são divididas em cores, temos a #BiotecnologiaVermelha cuidando de inovações na área da saúde, a #BiotecnologiaBranca que trata-se de inovações em bioprocessos voltados para a indústria e a #BiotecnologiaVerde que trata de inovações tecnológicas voltadas a preservação do meio ambiente, desenvolvimento de processos de agricultura sustentável e a aplicação de tecnologia no campo.

A Biotecnologia é a ciência do futuro e tem tudo a ver com o desenvolvimento sustentável!
@Biotecland aplica a Biotecnologia Verde de forma a promover um desenvolvimento sustentável alinhado aos ODS 2, 13 e 15.

Ficou curioso? Fique de olho em nossos canais de comunicação para saber mais!

O que é Bioeconomia?

Bioeconomia é um modelo de produção industrial baseado no uso de recursos biológicos.

O objetivo é oferecer soluções para a sustentabilidade dos sistemas de produção com vistas à substituição de recursos fósseis e não renováveis.

No Brasil, o termo é novo, mas a ciência não.

O conceito começou a ser conhecido na década de 70 com o Programa Nacional do Álcool (Proálcool).

Segundo dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (#OECD), a bioeconomia movimenta no mercado mundial cerca de 10 trilhões de reais e gera cerca de 22 milhões de empregos.

Além disso, as atividades do setor estão no cerne de pelo menos metade dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (#ODS) da ONU, desde a segurança alimentar até a garantia de acesso à energia e saúde.

A competência em bioenergia, agricultura e biotecnologia faz do Brasil um dos protagonistas no cenário da bioeconomia em nível mundial.

Uma das tendências mais fortes hoje no País é a utilização de biomassa integral ou residual como matéria-prima para desenvolvimento de diversos bioprodutos com potencial de uso em diferentes setores da economia.

A expectativa é reduzir a dependência de recursos de fontes fósseis e o impacto sobre a biodiversidade e o meio ambiente.

A utilização de microalgas que é proposta pela #Biotecland contempla o conceito de bioeconomia!

A microalga é considerada uma biomassa brasileira e é o que compõe o biofertilizante!

Curtiu? Quer debater mais sobre o assunto? Nos siga nas nossas redes sociais!

 

22 de Março – Dia Mundial da Água

22 de Março, Dia Internacional da água

22 de Março, Dia Internacional da água

A água é um recurso natural finito e uma das maiores preocupações do futuro da humanidade, e nosso desafio é preservá-la. Afinal, cada vez mais a sociedade questiona a forma como o seu uso vem sendo feito pelos diversos setores produtivos no mundo. A partir do século XXI, a humanidade se deparou com o problema da escassez de água como uma ameaça para a saúde humana e a vida do planeta Terra (RANGEL; BRITTO, 2008). Apesar dos esforços institucionais para a melhoria da qualidade e da infraestrutura sanitária, em todo o mundo, aproximadamente 2,1 bilhões de pessoas não têm acesso à água potável em casa e 4,5 bilhões de pessoas carecem de saneamento básico (UNICEF, 2017).

Nas plantas, a água constitui-se de até 95% do protoplasma, participando de processos como a fotossíntese e fosforilação oxidativa (REICHARDT; TIMM, 2012). E quimicamente, é um reagente na fotossíntese, reação química que é a base da cadeia alimentar. Dentro do cloroplasto da planta, a energia da luz solar é usada para converter dióxido de carbono e água em carboidratos e oxigênio. Em si, é a fonte do nosso oxigênio. Preservar a água é preservar nosso oxigênio.

5 dicas importantes para preservar a água em sua propriedade agrícola: 1) armazenar água da chuva com o uso de cisternas e tanques; 2) Irrigar as plantas por gotejamento, 3) plantação de agroflorestas, 4) aplicar o sistema de plantio direto, que usa a palha do colhido servir como cobertura evitando as altas temperaturas no solo e 5) aplicar as microalgas para aumentar a retenção de água e a vitalidade do solo.

O futuro da Agrobiotecnologia chegou!  Quer saber mais? Entre em contato, acompanhe nossas redes sociais, comente e compartilha!

Fontes:  https://www.embrapa.br/agua-na-agricultura/sobre-o-tema  RANGEL, M. C.; BRITTO, J. M. Processos avançados de oxidação de compostos fenólicos em efluentes industriais. Química Nova, São Paulo, v. 31, n.1, p. 114-122, 2008.  REICHARDT, K.; TIMM, L. C. O solo, planta e atmosfera: Conceitos, processos e aplicações. 2. ed. Barueri: Manole, 2012. 524p.

#agronegocio #agro #chorella #biotec #microalgas #agricultura #plant #sustentabilidade #bioinsumos #agriculturaorganica #futuro #inovação #biodiversidade #soil #produtividade #biologia #bioeconomia #plantas #empreendedorismo #meioambiente #controlebiologico

Histórias de quem produz #1 – Nova Etruria – Agronegócio

O agronegócio é um dos setores mais importantes da economia brasileira. Segundo dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Produto Interno Bruto (PIB) desse ramo crescerá cerca de 3% no Brasil. em 2021

Neste grande setor, existem pequenos produtores que formam uma esfera muito importante para o crescimento do agronegócio. Nessa nova série da Biotecland – Histórias de quem produz. Vamos apresentar para vocês histórias de quem faz parte da nossa rede de desenvolvimento sustentável.

Felipe Natali

Há 3 anos, o zoologo Felipe Natali decidiu deixar de lado a sua principal carreira e seguir um sonho: morar no campo.

O homem de 35 anos sabia que queria morar no campo, mas não tinha ideia de quando. Até que, durante uma entrevista do doutorado ele percebeu que queria viver esse sonho logo.

“Estava muito confiante no início”, explica.

Então ele foi.

E, desde o início de sua mudança, Felipe viveu desafios. Por 1 ano e 10 meses, ele morou em um acampamento, o que foi um choque.

“Não tinha estrutura”, desabafa.

O Agro e a Biotecland

Para Felipe, não bastava apenas viver no campo. Ele queria ter mais conhecimento da vida no agro, e assim foi. Ao longo dos anos, o rapaz estudou compostagem, identificação de fertilidade do solo, os manejos orgânicos, enfim, o suficiente para começar a viver do agro
.
Para se especializar ainda mais, realizou cursos de agroecologia e biodinâmica, que ajudaram a compreender as bases da agricultura e as necessidades do solo.

Com todos esses fatores, Felipe diz que se considera um produtor, porém não convencional por conta da influência da biotecnologia em seus manejos na fazenda. Porém, ele destaca que os pequenos produtores têm tudo para conseguir alimentar boa parte do Brasil com um alimento de qualidade.

Segundo Fernando Schwanke, as pequenas propriedades movimentam 5% do PIB brasileiro, tornando-se um pilar importante na economia do País.

Biotecland

Durante uma pesquisa sobre microalgas, Felipe descobriu a Biotecland, e aí o seu interesse bateu com a consultoria oferecida pela empresa. Assim, a união entre os dois começou.

Para ele, o maior diferencial da Bioteland é que não é apenas a questão de aprender sobre manejo, por exemplo, mas também a possibilidade de trabalhar com a produção de mudar o setor do Agro a partir da biotecnologia.

“Isso é trazer a tecnologia para o campo”, destaca.

E aí, vem com a gente?

O futuro da biotecnologia chegou!

O que são fazendas verticais?

Você sabe o que são as fazendas verticais?

Segundo a ideia difundida pelo biólogo Dickson Despommier, as fazendas verticais são um conjunto espacial destinado para a produção de alimentos e remédios em camadas verticais. Para o especialista, a agricultura vertical pode ser uma opção para o combate à fome.

Além disso, as fazendas verticais podem contribuir para a redução do impacto ambiental causado, por exemplo, por agrotóxicos.
Nesta opção de agricultura, a hidroponia é usada como principal elemento para o desenvolvimento das plantas, e é potencializada, ainda, com energias eólicas e/ou solares, que ajudam a manter o consumo de energia das fazendas verticais. Sendo assim, pode-se considerar que é um sistema sustentável.

Outro ponto importante é a melhoria na qualidade do ar, principalmente em grandes centros urbanos.
Esse sistema pode ser uma opção para os países que passam por insegurança alimentar ou até mesmo para aqueles que preferem práticas mais sustentáveis.

De acordo com o relatório feito pelo IDTechEx: “Vertical Farming: 2020-2030”, as fazendas verticais já conseguem movimentar cerca de US$ 781 milhões ao ano. O estudo também prevê um crescimento anual de 6,85% no segmento.
.
.
.
.
Curte esse tipo de conteúdo? Acompanhe as nossas redes sociais. O link do nosso site está na Bio.

#biotecland #fazendas #fazendasverticais #agro #agriculturavertical #agricultura #sustentabilidade #ONFARM #agrobiotecnologia

 

11 de Fevereiro – Dia internacional das mulheres e meninas na ciência

11 de Fevereiro – Dia internacional das mulheres e meninas na ciência!

Todos os anos, em 11 de fevereiro, as Nações Unidas marcam o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência. A pesquisa da Unesco aponta disparidades maiores em áreas altamente qualificadas, como inteligência artificial, onde apenas 22% dos profissionais são mulheres. O Brasil tem ao menos 77,8 mil pesquisadores nas cinco maiores ciências que declararam ter doutorado na Plataforma Lattes, de acordo com um levantamento feito pelo Open Box da Ciência. Entre eles, 46.501 ou 59,69% são homens e 31.394 ou 40,3% são mulheres. “Na fase inicial da carreira, quando os pesquisadores conseguem bolsas de iniciação, mestrado e doutorado, as mulheres estão em pé de igualdade com os homens”, afirma Sobral, citando dados do CNPq. “Mas no ápice da carreira, a desigualdade ainda existe, sobretudo em algumas áreas como engenharias e ciências exatas”. Fernanda Sobral, vice-presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Nós da Biotecland apoiamos o #ODS5 “Acabar com todas as formas de discriminação contra todas as mulheres e meninas em toda partes”. Admiramos tudo que vocês já criaram e tudo que ainda criarão. Um agradecimento especial as mulheres da Ciência da @biotecland@isabela_campello@laratmiller@rloreen_ #sciencewoman #biotecland #newage #agricultura #mulheresdoagro #mulheres #newagro #woman