Pitaia: patologia e agentes etiológicos

A Pitaia é uma planta da família cactácea dentre vários gêneros tem-se o Hylocereus sp, que é o mais cultivado comercialmente, é uma planta trepadeira que possui também raízes adventícias, nativa de florestas tropicais. Por ser um cacto algumas pessoas acham que a mesma não precisa de cuidados ou até mesmo de água para obter um bom desenvolvimento, porém é uma Planta que exige cuidados e um bom manejo da nutrição e prevenção de pragas em geral.

É uma cultura ainda recente no Brasil, porém está ocorrendo um grande crescimento das áreas cultivadas, maiores produtividades, como por exemplo, no estado de Santa Catarina na safra 2020/2021 se obteve um aumento de 60% no volume comercializado com relação à safra 2019/2020 (EPAGRI 2021), bem como à divulgação das propriedades nutracêuticas da fruta.

Para se obter sucesso na produção de Pitaia, deve-se atentar à possíveis pragas que geram problemas para a produção. A cultura pode ser exposta a várias doenças fúngicas, bacterianas e viróticas (VALENCIA-BOTÍN et al., 2008). Há relatos de cancro em cladódios em Taiwan (CHUANG et al., 2012), pinta preta causada por Alternaria sp (WANG et al., 2009), também é observado a podridão mole do cladódio, que possui como agente etiológico Erwinia sp e Enterobacter cloacae (MASANTO et al., 2009), dentre outros patógenos. No Brasil houve o primeiro relato de doença fúngica causado por Colletotrichum em Pitaia amarela da espécie Megalanthus, na região de Botucatu, São Paulo, foi detectado mancha laranja-avermelhadas com halos cloróticos nos cladódios e frutos (TAKAHASH et al., 2008). Pode-se ocorrer também na cultura da Pitaia, danos causados por insetos, que podem atacar diversas partes da planta, como: Formigas-cortadeiras do gênero Acromymex sp que atacam cladódios, botões florais e frutos, abelha Arapuá Trigona spinipes sp e a Vaquinha Diabrotica speciosa que atacam cladódios, botões florais e frutos, Percevejos Leptoglossus sp; Sphictyrtus sp; Chinavia sp que também atacam cladódios, botões florais e frutos, e Pulgões que causam grandes dados nas brotações e botões florais, inviabilizando assim a comercialização dos frutos.

Nesse sentido para se fazer a prevenção de pragas e doenças no pomar, deve haver um bom manejo desde a preparação da área, utilizando práticas conservacionistas, atenção para a correção e adubação do solo, para o manejo nutricional da cultura, bem como a utilização de microrganismos, como por exemplo, as microalgas que são organismos vivos unicelulares, capazes de fornecerem além de vários nutrientes para as plantas, fornecem ainda fitormônios, que atuam diretamente no desenvolvimento das plantas, favorecendo assim maior resiliência as adversidades, tanto bióticas como abióticas.

Nesse sentido a Empresa Biotecland desenvolveu um produto para contribuir e agregar valor à sua propriedade, com um manejo eficiente, sustentável e rentável, é o PrimaFert, um produto à base de microalgas Clorella sp.

Deixe uma resposta