Histórias de quem produz #1 – Nova Etruria – Agronegócio

O agronegócio é um dos setores mais importantes da economia brasileira. Segundo dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Produto Interno Bruto (PIB) desse ramo crescerá cerca de 3% no Brasil. em 2021

Neste grande setor, existem pequenos produtores que formam uma esfera muito importante para o crescimento do agronegócio. Nessa nova série da Biotecland – Histórias de quem produz. Vamos apresentar para vocês histórias de quem faz parte da nossa rede de desenvolvimento sustentável.

Felipe Natali

Há 3 anos, o zoologo Felipe Natali decidiu deixar de lado a sua principal carreira e seguir um sonho: morar no campo.

O homem de 35 anos sabia que queria morar no campo, mas não tinha ideia de quando. Até que, durante uma entrevista do doutorado ele percebeu que queria viver esse sonho logo.

“Estava muito confiante no início”, explica.

Então ele foi.

E, desde o início de sua mudança, Felipe viveu desafios. Por 1 ano e 10 meses, ele morou em um acampamento, o que foi um choque.

“Não tinha estrutura”, desabafa.

O Agro e a Biotecland

Para Felipe, não bastava apenas viver no campo. Ele queria ter mais conhecimento da vida no agro, e assim foi. Ao longo dos anos, o rapaz estudou compostagem, identificação de fertilidade do solo, os manejos orgânicos, enfim, o suficiente para começar a viver do agro
.
Para se especializar ainda mais, realizou cursos de agroecologia e biodinâmica, que ajudaram a compreender as bases da agricultura e as necessidades do solo.

Com todos esses fatores, Felipe diz que se considera um produtor, porém não convencional por conta da influência da biotecnologia em seus manejos na fazenda. Porém, ele destaca que os pequenos produtores têm tudo para conseguir alimentar boa parte do Brasil com um alimento de qualidade.

Segundo Fernando Schwanke, as pequenas propriedades movimentam 5% do PIB brasileiro, tornando-se um pilar importante na economia do País.

Biotecland

Durante uma pesquisa sobre microalgas, Felipe descobriu a Biotecland, e aí o seu interesse bateu com a consultoria oferecida pela empresa. Assim, a união entre os dois começou.

Para ele, o maior diferencial da Bioteland é que não é apenas a questão de aprender sobre manejo, por exemplo, mas também a possibilidade de trabalhar com a produção de mudar o setor do Agro a partir da biotecnologia.

“Isso é trazer a tecnologia para o campo”, destaca.

E aí, vem com a gente?

O futuro da biotecnologia chegou!

Deixe uma resposta